set 232014
 

Rede_SemânticaMuito se fala, e já há bastante tempo, sobre web semântica.

A coisa ficou tão popular que até nossos clientes pedem produtos “semânticos”…

Mas o que vem a ser isso?

Antes, vamos tratar do que é propriamente semântica:

 

Semântica está relacionada com o idioma, com a linguística. Como comparativo: enquanto a gramática estuda as regras de determinado idioma, enquanto a ortografia estuda a forma correta de escrever (representar) cada vocábulo deste idioma, a semântica se ocupa do sentido das palavras, do que querem dizer.

Assim, como em programação usamos uma linguagem, de máquina é verdade, mas ainda assim uma linguagem, programar de modo semântico e usar cada elemento daquele linguagem para o fim que ele foi criado, respeitando seu sentido, sua semântica.

Para ilustrar: Nos primórdios da web cada página era escrita na unha, um site com várias páginas tinha cada uma elas escritas no braço, era basicamente só HTML, e, nesta época, criativamente usávamos tabelas <table></table> para marcar a diagramação, assim, cada elemento na tela correspondia a uma célula , ou grupo de células, de tabela.

Com o CSS e as DIV, tal prática restou há muito ultrapassada, bem, nem tanto, ainda há muitos sites que usam tabelas para diagramar seu conteúdo.

Assim, programar de modo semântico, usando o HTML como exemplo, ok, eu sei que é linguagem de marcação e não programação, mas serve de exemplo, é usar cada coisa em seu sentido literal, ou seja, a tag <table> deve mesmo se referir a uma tabela, o parágrafo a parágrafo, a label a uma etiqueta e assim por diante.

É isso.

Para aqueles que gostam de saber um pouquinho mais:

Programar (ou marcar) de modo semântico é essencial para a internet atual por motivos diversos, tratemos de apenas dois:

Leitores de tela. Sim, há pessoas com deficiência visual que dependem dos leitores de tela para navegar na web, se marcar sua página de modo a contrariar a semântica, seus sites serão inacessíveis. Não me parece uma boa ideia.

Web Dinâmica: creio que já não existam mais páginas estáticas na web, todas são geradas dinamicamente, e convenhamos, gerar páginas através de linguagem de programação de modo não semântico é, pelo menos, umas 30 vezes mais trabalhoso, assim, pelo bem do seu trabalho, seja semântico no momento da programação.

Para ficar ainda melhor entendido, a semântica, como área de estudo, analisa as palavras de três modos:

Sinomínia: Quando palavras distintas tem o mesmo significado:

  • A garota recusou o presente.
  • A menina não quis o presente.
  • A mocinha rejeitou o presente.

No caso, as três frases, alterando palavras, mantém o mesmo sentido, assim garota, menina e mocinha e recusou, não quis e rejeitou, cada qual em seu grupo, mantém sinomínia semântica;

Antonímia:

  • A menina aceitou o presente.
  • A velha rejeitou o presente.

No caso, tanto menina x velha como aceitou x rejeitou são antônimos, possuem significados antagônicos.

Homonímia (ou Polissemia):

Aqui a coisa complica. São por estas particularidades do idioma que ainda é difícil programar máquinas para compreenderem a linguagem natural:

  • A menina chutou a bola;
  • A menina deu bola para o rapaz;

A mesma palavra (bola) adquire sentido completamente diverso a depender do contexto.

Encerramos por aqui com a esperança de ter ajudado um pouco na compreensão da semântica, claro que longe de esgotar o assunto, porém, com o aviso: o domínio da semântica é essencial para os profissionais da informática, especialmente se pensamos em partir para a inteligência artificial.

Recomendamos para iniciar: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sem%C3%A2ntica

É isso, de novo!