jul 012015
 

O problema:

Estamos a preparar um DataMining para um cliente, onde nenhum padrão está pré-estabelecido. Esta primeira análise costumamos realizar com o MS Access pela facilidade na criação de consultas e relacionamentos para, depois, definir os primeiros padrões encontrados.

Em regra criamos uma cópia dos Bancos de Dados principais do cliente, importamos no Access e trabalhados desconectados das bases em operação.

Porém, para este cliente, estamos em busca de novos padrões de acontecimentos imediatos, ou seja, precisamos acessar a base principal em tempo real.

A solução:

Vincular tabelas do MySQL no MS Access.

Como fazer:

Primeiro passo, no Access (usamos a versão 2002/XP):

Arquivo >> Obter dados externos >> Vincular tabelas.

Nos “tipos de arquivo” selecione “ODBC Databases()”, na tela seguinte “Fonte de dados de máquina”:

Capturar

Não há a opção de bancos de dados MySQL, logo, a solução é instalar um conector.

Baixeo MySQL ODBC Connector do site do MySQL, o link quando esta matéria foi escrita é: https://dev.mysql.com/downloads/connector/odbc/

Baixe de acordo com seu sistema operacional, instale-o.

sql

Em seguida, vá em (W7) Painel de controle >> ferramentas admnistrativas >> Fontes de dados (ODBC):

sql3

 

Crie uma nova fonte, escolha entre Unicode ou ANSI conforme sua preferência.

sql4

Preencha os dados do banco que pretende conectar (precisará criar uma conexão para cada banco de dados, se for usar mais de um).

sql5

 

Pronto, agora basta voltar ao Access e repetir os primeiros passos, a nova fonte de dados estará disponível.

sql6

É isso!

 

jan 062015
 

Preloader são aqueles gis animados, tipo a ampulheta do Windows, que acabam sendo muito úteis em aplicações AJAX para alertar o usuário que a requisição está em processo.

Vagando pela rede, encontramos o site preloader.net que oferece vários modelos, muitos formatos, com possibilidade de personalização de cores, fundos etc.

Vale a pena conferir:

 

preloader

out 242014
 

O causo:

Para uma campanha de entidade beneficente local nos feita a seguinte encomenda:

Será promovida uma festa beneficente, para a qual serão vendidos ingressos, com o objetivo de adquirir uma ambulância para a entidade. A proposta: Colocar na página inicial do site da entidade uma ambulância em preto e branco e, na medida, que forem sendo vendidos os ingressos, no total de 10 mil, a ambulância vai colorindo-se.

Apesar de extremamente simples, não encontramos algo do tipo em nossas pesquisas, assim vamos à solução:

Usar duas imagens sobrepostas, um PB outra colorida, formatadas via CSS, com alterações dinâmicas via jQuery.

Esta é a imagem inicial, com 0% de preenchimento:

ab

Seguida da função que faz a variação:

 

	function colore()
	{
	/*ATENÇÃO:
		Função não otimizada, para efeitos didáticos!
		*/
 
		//captura o tamanho da imagem:
				largura=$('#imagem').width();
				altura=$('#imagem').height();
		//valor (em percentual) do campo:
				percentual=parseInt($('#valor').val(),10);
					//valida o dado recebido, se for inválido, assumirá 50(%)
 
					if(percentual)
					{
						if(percentual<0||percentual>100)
						{percentual=50;};
					}
					else
					{percentual=50};
 
		//calcula o tamnho da imagem, conforme o percentual:
			largura_sobreimagem=parseInt(largura*percentual/100);
			altura_sobreimagem=parseInt(altura*percentual/100);
 
		//atribui o valor à sobreimagem:
			css_sobreimagem="clip:rect(0px,"+largura_sobreimagem+"px,"+altura_sobreimagem+"px,0px)";
 
			$('#imagem').css({"clip":"rect(0px,"+largura_sobreimagem+"px,"+altura_sobreimagem+"px,0px"});
		/*
		No caso, a sobreimagem varia na vertical e na horizontal, apenas para demonstrar as possibilidades do efeito,
		na prática, foi usado somente na horizontal para melhor visualização.
		No estilo acima, a imagem já começa como "meio colorida" apenas para efeito demonstrativo
		*/
 
	};

Chegando a este resultado:

ab2

 

Pronto, simples e rápido.

Aqui os arquivos para download: .imagem_sobre_imagem

(A imagem da ambulância é promocional da FIAT/Ducato)

set 302014
 

logo@2x

Git é um cliente para controlador de versão (existem outros, como SVN – Subversion por exemplo).

A melhor explicação para inciantes pode ser vista no canal da Loiane Gronner:

É possível trabalhar localmente com o Git, ou seja, instalar um servidor local em sua máquina ou em sua rede. Aqui na Academia o Git é usado para controlar os projetos open source da academia que estão disponíveis no GitHub.

Então, usamos o Git em conjunto com o repositório GitHub que, grosso modo, é uma rede social para desenvolvedores. Para usar o Git e o GitHub, pode ser por linha de comando ou por interface gráfica. Usamos, na segunda opção, o GitHub for Windows.

search

Para aprender um pouco sobre GitHub:

Por fim, a dica:

Crie e compartilhe seus projetos no GitHub, além de organizar sua produção, ajudará e terá ajuda da comunidade. Para ti, certamente ter alguns bons códigos no GitHub serve como um excelente cartão de visitas!

É isso.

 

ago 292014
 

Um algoritimo é fácil de entender (só que não…), no caso, aproximadas 40 variáveis, modificadas de forma precisa, transformam uma imagem de dia para noite em um clique, de verão para inverno e muito mais.

teaser400ppi

 

 

Excelente ideia, pena que não encontrei o algorítimo para estudá-lo, mas alguns detalhes podem ser obtidos na página: https://news.brown.edu/articles/2014/08/photo.

 

 

ago 292014
 

Pense naquela cena de câmera de segurança, onde duas pessoas conversam ao longe, perto delas há um saco de lixo e, pelas imagens (sem som, é claro) pela vibração deste plástico perto, a máquina recria o som e ouvimos a conversa!

Ficção? Não, bem, quase não.

Com esta cena, de baixa qualidade, ainda não é possível extrair o som, porém, quando a imagem apresenta uma qualidade maior, ou é gravada com câmeras de alta qualidade, pesquisadores do MIT conseguiram recriar o som, usando somente as imagens. A tecnologia, ainda experimental, certamente será uma nova arma investigativa em breve.

Mais tecnologia, menos privacidade!

Veja o vídeo para entender melhor:
 

set 282013
 

Quanto devo cobrar por um programa de computador?

Recebemos este questionamento com frequência, porém muitos fatores estão envolvidos na resposta para que seja simples e precisa.

Grosso modo, calcule a R$100,00 a hora, multiplicado (por óbvio) pelo número de horas que calcula despender no projeto.

Contudo, tal formuleta não expressa bem todas as nuances da precificação do desenvolvimento de software. Para ajudar os colegas nesta importante questão (quanto cobrar por seu trabalho!), disponibilizamos o documento que utilizamos para explicar a clientes e colaboradores como precificar de forma mais elaborada um programa de computador, contemplando os vários aspectos do desenvolvimento.

O texto é longo, contudo, cremos valer a pena para quem atua na área ou mesmo pretende, como cliente, contratar serviços.

Seus comentários serão sempre bem vindos.

Leia no Iframe abaixo ou direto no Google Docs.

.

.

fev 122012
 

Pois bem, no desenvolvimento de aplicações em plataforma WEB a codificação de caracteres tende a ser um pesadelo.

Ora toma-se o padrão regional (ISO-8859-1) ora o padrão internacional UTF-8, e aí a coisa complica…

Se todos os elementos da aplicação WEB (nagevador, servidor WEB, servidor de aplicação (PHP) e servidor de banco de dados) não estiverem operando na mesma nota paracerão os acaracteres estranhos…

A solução para usar PHP, HTML e MySQL em UTF-8, padrão que adotamos na academis é:

No header de suas páginas HTML, aponte a codificação UTF-8:

<head>
      <meta http-equiv="Content-type" content="text/html; charset=UTF-8" />
</head>

Já na sua aplicação PHP inclua:

     ini_set('default_charset'